Como formar a Escala Diminuta de Ré?

Como formar a Escala Diminuta de Ré?
Fala tecladista! Como você está? Aqui quem fala é o Augusto Canarin, do Aprenda Piano, e hoje vamos dar continuidade a nossa série de artigos, estudando a escala diminuta de ré.
Entre os tipos de escalas, as escalas diminutas são muito importantes na hora de improvisar e também para serem usadas em certo estilos musicais.
É muito comum você encontrar músicos que utilizem acordes com aspecto diminuto, agora músicos que saibam executar as escalas desses acordes, isso é algo muito raro de se encontrar.
A tendência é pensar que essas escalas são “muito difíceis” porém a realidade é totalmente diferente.
Agora vamos desmistificar esse conceito e estudar a escala diminuta na tonalidade de ré!

COMO SE FORMAM AS ESCALAS DIMINUTAS?

Para iniciar o nosso estudo, precisamos antes de tudo, entender de um modo geral, como formar todas as escalas diminutas.
Todas elas, independente da tonalidade principal, são formadas pela mesma ideia, mesma regra.
Esse processo se repete com todas as escalas musicais, inclusive com a escala diminuta.
Obviamente que, a formação varia dependendo do tipo da escala, porém todas elas seguem a mesma ideia.
Então, antes que você mergulhe em um universo específico como o da escala diminuta de Ré, é necessário entender como que tudo acontece.
A formação das escala diminuta é considerada uma das mais fáceis que existe.
Devido a escala diminuta ser considerada uma escala simétrica (igual, iniciando pelos dois lados), ela é muito fácil de ser decorada.
Ou seja, independente do lado que você inicie a formação, a sequência seguirá sempre o mesmo padrão.

FORMAÇÃO DAS ESCALAS DIMINUTAS

As escalas diminutas são formadas por meio de 7 intervalos musicais, divididos em espaços de TOM e SEMITOM.
Então nesse caso, você terá uma sequência com tom e semitom e a partir dela, conseguirá montar a sua escala diminuta, independente da tonalidade.
Veja como ela funciona:

TOM – SEMITOM – TOM – SEMITOM – TOM – SEMITOM – TOM

Se você sentir algum problema em decorar essa sequência, você pode pensar dessa forma:

Sequência de 7 intervalos alternados em TOM e SEMITOM, que começa e termina em TOM.

Através desse esqueleto, é possível sem qualquer problema, montar qualquer escala diminuta que você desejar.
Agora que você aprendeu como funciona a ideia geral dessas escalas, que tal montar a escala da tonalidade que estamos estudando?

ESCALA DIMINUTA DE RÉ: NOTAS

Para que você saiba as notas que precisa para ter a escala diminuta de Ré completa, vamos utilizar a sequência acima.
Obviamente, a primeira nota da nossa escala é a própria nota e essa é sua a localização no teclado:

Agora, partindo da nota fundamental que já temos, iremos conseguir encontrar as notas seguintes, por meio dos intervalos.
Aumentando um tom a partir da nota Ré, temos a nota Mi, sendo ela a segunda nota da nossa escala.
Lembra que o processo de intervalos é alternado entre tom e semitom?
Então, agora em Mi precisamos aumentar um semitom, para descobrirmos a terceira nota da escala.
Subindo um semitom de Mi vamos para Fá.
Aumentando um tom a partir dela (Fá), encontramos a nota Sol, sendo ela a quarta nota da nossa escala.
Temos até o momento, a metade do número total de notas de uma escala diminuta, 4 de 8, continuamos!
Aumentando um semitom da nota Sol, chegamos a Láb.
Um tom acima partindo da nota Lá, encontramos a nota Sib.
Novamente, aumentando um semitom, temos a nota b, sendo ela a sétima nota da nossa escala diminuta.
PS: Para ser mais fácil de achar a nota dób pense que ela está na mesma tecla da nota si.
E por fim, aumentando um tom, chegamos até a nota Dó#, oitava nota da escala.
Colocando todas as notas em sequência, temos a seguinte formação:

Ré – Mi – Fá – Sol – Láb – Sib – Dób – Dó#

Essas são as notas pertencentes a escala diminuta de Ré!
8 notas que seguem a sequência alternada de tom e semitom.
E como executar essa escala no piano?
Você acha que sabe localizar toda essa escala no instrumento?

ESCALA DIMINUTA DE RÉ NO PIANO

As notas são dispostas no piano de um jeito muito fácil e simples de localizar e tocar cada uma delas.
Abaixo nós disponibilizamos para você, a escala diminuta de Ré no piano:

Sabendo isso, você consegue agora, descobrir as notas de outras escalas e até mesmo já utilizar a escala que estudamos hoje, em suas execuções musicais.
Aprendendo de uma vez por todas a montar as escalas, você consegue em alguns minutos, tocar qualquer uma dentro das 12 tonalidades musicais possíveis.
Então, por hoje é isso. UFA! 😛

FINALIZANDO

O que você achou da escala diminuta de Ré? Aposto que achou muito fácil de montá-la!
Faça com que o conhecimento dessa escala ajude você nos seus estudos, ou seja, pratique e coloque em prática tudo o que aprender.
Só assim você irá conseguir tocar suas músicas preferidas!
Para ajudar você nessa caminhada rumo ao seu desenvolvimento musical, sugiro que conheça nossos cursos online e nossos materiais educativos.
Um forte abraço e bons estudos!
Augusto Canarin

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

VAMOS APRENDER TECLADO DE FORMA EMPOLGANTE?

Destrave o seu talento musical com este guia completo!

Gostou do artigo? Deixe seu comentário abaixo

Ramon Tessmann

Desde o início de sua trajetória, Ramon se mostrou inconformado com seu aprendizado musical. Começou sua carreira em 1991 e alcançou crescente notoriedade através de sua escola Aprenda Piano, que conta hoje com mais de 20 mil alunos em 17 países. Depois de longos anos, sua busca incessante originou um método de ensino musical de alto resultado que ele compartilha no treinamento Extraordinários.